sexta-feira, 24 de julho de 2015

A Pirâmide



Nesta pirâmide existe uma troca.
Imensa energia entre o céu e a terra...
ela envolve e a matéria sufoca,
confere um sentido que está em guerra...

É ancestral o símbolo básico...
agride uma base feita de esforço...
tão numerosa de um modo fásico,
por fases evolui como reforço...

Para o topo caminha o corpo morto,
iluminado em convexa visão...
a cada momento sente conforto
mais vivo está pelo seu abanão...

Os vértices atribuem a forma,
que pelo mundo nos povos repete...
sem querer sempre existiu uma norma...
a resposta que a procura remete...

A pirâmide contagia este sol...
orienta a sublime direcção...
na escura noite deixa ver o farol,
de quem não sabe sentir a razão...

Lá no cimo onde a saúde desponta,
ascende a promessa do resistente...
cá em baixo onde quase nada conta,
descende outro louco, ciclicamente...

Ombuto (Alberto Hayes)

Leia mais em Luso Poemas.net
Postar um comentário

Seguidores